Quarta-feira
12 de Agosto de 2020 - 

Controle de Processos

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Maringá, PR

Máx
33ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,43 5,43
EURO 6,38 6,39

Home

TRF3 MANTÉM CONDENAÇÃO DE MOTORISTA PELO CONTRABANDO DE 200 MIL MAÇOS DE CIGARROS EM BATAYPORÃ/MS

A Quinta Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) manteve a condenação de um caminhoneiro, em Batayporã/MS, pela importação irregular e clandestina de 200 mil maços de cigarro de origem estrangeira, avaliados em R$ 1 milhão. O réu também foi penalizado pela instalação de radiocomunicador no veículo, sem autorização da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), utilizado na prática do contrabando.  Para o colegiado, ficaram comprovadas a materialidade e autoria dos crimes cometidos e a aquisição ilícita dos produtos. “O réu admitiu a prática criminosa ao depor em Juízo, dizendo que pegou o caminhão na saída de Naviraí/MS, o qual iria levar para Andradina/SP. O caminhão já estava preparado com a carga de cigarros e iria receber R$ 3 mil pelo transporte”, ressaltou o desembargador federal relator André Nekatschalow.   O caminhoneiro havia sido preso pela Polícia Militar, em 30/06/19, em um posto de combustíveis na cidade sul-mato-grossense de Batayporã, após denúncia anônima sobre um caminhão que transportava bens ilegais. Depois da abordagem, os policiais verificaram que o veículo continha no seu interior 400 caixas com 200 mil maços de cigarros de origem paraguaia e R$ 1.900,00 em espécie.  Conforme os autos, o caminhoneiro fez utilização irregular, sem autorização da Anatel, de radiocomunicador para facilitar a prática do crime de contrabando. O uso do equipamento é frequente na região de fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai, com a finalidade enganar a fiscalização.  Em primeira instância, o caminhoneiro foi condenado a dois anos e 11 meses de reclusão, em regime inicial aberto, pelo delito de contrabando, e à prestação de serviços à comunidade e à prestação pecuniária de três salários mínimo, pelo crime de utilização irregular de serviço de telecomunicações. Também, foram decretadas a inabilitação do réu para dirigir veículo automotor e a perda dos valores, da carga de cigarros e do radiocomunicador apreendidos.  A defesa recorreu ao TRF3 solicitando a redução das penas impostas. Para o réu, a quantidade de cigarros apreendida não apresentava circunstância judicial para majorar a penalidade, além disso, o veículo com a carga de cigarros estava parado e o aparelho radiocomunicador não foi utilizado pelo acusado.  Segundo o desembargador federal relator, as alegações do caminhoneiro não são passíveis de aceitação, uma vez que a aplicação da penalidade foi realizada de modo fundamentado e se mostra razoável diante da conduta praticada pelo réu. “A vultosa quantidade de cigarros apreendida revela, de fato, a maior gravidade da conduta e autoriza a majoração da pena-base, nos termos fixados. Há também prova testemunhal e pericial nos autos de que o rádio comunicador foi efetivamente usado e de que se encontrava apto para sua finalidade, qual seja, de comunicação do transportador da mercadoria contrabandeada com os ‘batedores’, encarregados de assegurar a chegada dos cigarros ao seu destino”, salientou.  Com esse entendimento, a Quinta Turma negou provimento à apelação e manteve a condenação e as penas impostas ao caminhoneiro pelos crimes de contrabando e de uso irregular de aparelho de telecomunicação.     Apelação Criminal 5001197-52.2019.4.03.6002   Assessoria de Comunicação Social do TRF3
03/07/2020 (00:00)
Visitas no site:  785861
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia