Quinta-feira
23 de Maio de 2019 - 

Controle de Processos

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Maringá, PR

Máx
24ºC
Min
16ºC
Pancadas de Chuva

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,02 4,02
EURO 4,49 4,49

Home

Proibição de pulverização aérea monopoliza debates na CCJ

Foram tão intensos os debates ocorridos durante a sessão desta terça-feira (14) da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP) que apenas dois dos 22 projetos constantes na pauta chegaram a ser votados. O projeto de lei nº 2/2018, de autoria do deputado Tadeu Veneri (PT), vedando a pulverização aérea de agrotóxicos, concentrou o grosso das discussões, provocando manifestações antagônicas. Mesmo assim, foi aprovado e deve seguir tramitando por outras comissões técnicas e motivando a convocação de audiências públicas, uma vez que o tema é polêmico e afeta várias áreas.A proposta de Veneri pidiu opiniões. Os deputados Tião Medeiros (PTB), Cristina Silvestre (PPS) e Homero Marchese (PROS), argumentaram que é atribuição exclusiva da União legislar sobre o tema e que qualquer iniciativa de nível estadual seria inconstitucional. Medeiros ponderou que um amplo debate pode ocorrer independentemente da existência de um projeto de lei. Cristina alertou que a proibição poderia inviabilizar a agricultura no Paraná, uma vez que a pulverização aérea é amplamente utilizada. Marchese foi além, disse que a medida praticamente impede a agricultura em larga escala, responsável pela produção de alimentos no mundo todo.Outros membros da comissão, como Evandro Araújo (PSC) e Hussein Bakri (PSD), mesmo admitindo que no mérito podem se posicionar contra a proposição, admitiram que a apresentação do projeto motiva e estimula um amplo debate, capaz de jogar luzes sobre o assunto. No final das contas, a maioria acolheu esta última tese e aprovou o projeto. Além de Medeiros, Marchese e Cristina Silvestre, votou contra a iniciativa o deputado Paulo Litro (PSDB).Municípios – A outra proposição aprovada na sessão de hoje foi o projeto de lei nº 292/2019, de autoria do Poder Executivo, alterando dispositivo da Lei nº 15.229/2006, que dispõe sobre normas para a execução do Sistema das Diretrizes e Bases do Planejamento e Desenvolvimento Estadual, nos termos do art. 141 da Constituição Estadual. Na justificativa, o Governo aponta a necessidade de adequação para atualizar os requisitos necessários para formalização de convênios de financiamentos para projetos e obras de infraestrutura, equipamentos e serviços, passando a vincular a liberação de operações de créditos decorrentes de projetos financiados pelo Sistema de Financiamentos dos Municípios – SFM – operados pelo Paranacidade.Desta maneira, poderão firmar contratos de empréstimo os municípios que, alternativamente, tiverem plano diretor vigente e atualizado, aprovado pela Câmara Municipal; tiverem contratado serviço de consultoria para revisão do plano diretor, para atualização em três anos, caso a lei que aprovou o plano tenha mais de 10 anos; ou que tiverem nomeado equipe técnica para revisão do plano diretor para atualização em três anos, caso a lei que o aprovou tenha mais de 10 anos. A matéria, que tramita em regime de urgência, recebeu substitutivo do relator, deputado Nelson Justus (DEM), referente a prazos.Reunião extraordinária – O presidente da CCJ, deputado Delegado Francischini (PSL) convocou sessão extraordinária para esta quarta-feira (15), às 13h30, no Auditório Legislativo da Casa, para analisar, prioritariamente, o projeto de lei nº 85/2019, de autoria do Poder Executivo, alterando e acrescentando dispositivos a Lei nº 18.466/2015, que trata do Cadastro Informativo Estadual; na Lei nº 16.035/2008, que trata da redução da litigiosidade no âmbito fiscal; e na Lei nº 18.292/2014, que trata de mecanismos de incremento da cobrança da Dívida Ativa. O objetivo é reduzir a litigiosidade para a celeridade dos processos judiciais, buscando adequação processual conforme o Novo Código de Processo Civil.Além de outras proposições, deve entrar na pauta também a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 6/2019, que tem entre seus autores o próprio Francischini, inserindo parágrafos no art. 134 da Constituição Estadual para tornar obrigatória a execução das emendas parlamentares a programação orçamentária, até o limite de 1,2% da receita corrente líquida.  
14/05/2019 (00:00)
Visitas no site:  568136
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia