Terça-feira
20 de Outubro de 2020 - 

Controle de Processos

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Maringá, PR

Máx
33ºC
Min
22ºC
Nublado e Pancadas d

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,60 5,60
EURO 6,60 6,61

Home

COVID-19: TJPR autoriza a reabertura de estabelecimentos privados de ensino em Londrina

COVID-19: TJPR autoriza a reabertura de estabelecimentos privados de ensino em Londrina Medida deve priorizar o acompanhamento pedagógico e psicossocial dos estudantes Qui, 15 Out 2020 15:23:21 -0300 Na quarta-feira (14/10), o Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), liminarmente, autorizou a reabertura das escolas privadas de Londrina representadas pelo Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Norte do Paraná (Sinepe/NPR). “É certo que a reabertura deverá ser gradual, escalonada, híbrida e sob o viés acolhedor. Trata-se, nesse momento, de priorizar o acompanhamento pedagógico, social e psicológico dos infantes, sem qualquer intenção conteudista de ‘buscar o tempo perdido’ em relação ao ano letivo”, ressaltou o Desembargador relator do feito (integrante da 6ª Câmara Cível do TJPR). No processo contra o Município, o sindicato questionou os sucessivos decretos que prorrogaram a suspensão das atividades presenciais nas unidades escolares públicas e privadas de Londrina durante a pandemia.  Ao analisar o caso, o magistrado observou que a liberação de atividades consideradas não essenciais enfraquece “qualquer fundamento jurídico e sanitário que mantém um serviço de suma essencialidade suspenso, como a educação, enquanto outros considerados de lazer, como bares e restaurantes, retomam suas atividades”. Em sua fundamentação, ele ressaltou que a curva epidemiológica está diminuindo no Paraná e em Londrina e que a manutenção do isolamento das crianças causa danos a esse público.  “O retorno deverá ser facultativo, ou seja, caberá a cada núcleo familiar avaliar suas possibilidades e necessidades, sem prejuízo àqueles que, por algum motivo, não se sintam confortáveis em voltar ao ambiente escolar, cujo acolhimento deverá ser feito, na medida do possível, de forma remota”, ponderou o Desembargador. --- Acesse a decisão.  
15/10/2020 (00:00)
Visitas no site:  837623
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia