Sábado
05 de Dezembro de 2020 - 

Controle de Processos

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Maringá, PR

Máx
30ºC
Min
21ºC
Pancadas de Chuva

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,17 5,17
EURO 6,28 6,28

Home

Companhia aérea não corrige nome de cliente em uma passagem e é condenada a indenizá-lo

Companhia aérea não corrige nome de cliente em uma passagem e é condenada a indenizá-lo Passageiro pagou mais de R$ 2.600 pela emissão de um novo bilhete aéreo com os dados corretos Ter, 15 Set 2020 12:30:57 -0300 O preenchimento automático e incorreto do próprio nome no momento da compra de uma passagem aérea para o Nordeste causou uma série de transtornos a um cliente da Latam: no campo em que deveria constar o nome e o sobrenome, foi registrada a informação “Dom Guilhermo Dom Guilhermo”. O erro só foi percebido por ele no momento do check in online. Ao chegar no aeroporto, o passageiro solicitou a correção dos dados aos funcionários da empresa, mas o pedido não foi atendido. Para conseguir viajar, ele teve que comprar uma nova passagem por mais de R$ 2.600,00. Devido aos transtornos, o homem processou a companhia aérea e pediu indenização por danos morais, além do reembolso do valor pago pelo bilhete recém adquirido. Em sua manifestação no processo, a companhia argumentou que o problema ocorreu por culpa exclusiva do cliente, que não respeitou as regras de identificação. Condenação Ao julgar o caso, a magistrada da 3ª Vara Cível de Cascavel condenou a companhia a restituir os valores cobrados indevidamente do passageiro e a pagar R$ 4.500,00 de indenização por danos morais. Na sentença, ela destacou que a empresa foi negligente no relacionamento com o cliente e na prestação dos serviços. A decisão foi fundamentada na Resolução nº 400/2016 da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). O documento dispõe que: “Art. 8º O erro no preenchimento do nome, sobrenome ou agnome do passageiro deverá ser corrigido pelo transportador sem ônus ao passageiro. § 1º Caberá ao passageiro solicitar a correção até o momento do check-in”. A Juíza ressaltou que “competia à empresa ré promover a retificação do bilhete aéreo, conforme determina a Resolução (...), e não ter lhe cobrado a passagem em duplicidade, como o fez”. --- Acesse a decisão.
15/09/2020 (00:00)
Visitas no site:  869849
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia